Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

nuages dans mon café

Quotidiano, inspirações, fotografia, filmes e outras coisas.

nuages dans mon café

Os dramas de uma mulher com curvas

Hoje em dia muito se fala sobre tamanhos, sobre o peso, sobre a imagem das pessoas. Muito se diz que o importante é que estejamos bem connosco mesmas, com o nosso corpo e que ninguém tem nada a ver com isso. Sendo uma rapariga que não é magra, nem é gorda, mas que se encontra acima do peso certo, decidi falar sobre os dramas pelos quais passo/passamos.

 

Quando queremos usar um vestido caicai e ele cai mesmo. Pois é, ele cai mesmo, quer tenhamos um soutien adequado ou não, existe sempre esse problema. Muitas são as mulheres que usam um soutien normal com ele, mas têm de usar um casaco ou algo a cobrir.

 

O tamanho único numa peça de roupa ou fica largo demais ou fica apertado. Certamente que é um problema desse tamanho único. Como é que pode ser um só tamanho e ficar largo? Não pode.

 

Queremos usar uma camisa, mas ela fica meio aberta na zona do peito. Até as camisas são descriminatórias. A não ser que fiquem largachonas, não temos sorte nenhuma com elas.

 

O atrito das pernas começa a rasgar as calças. Isto é algo que me chateia imenso. Às vezes temos umas calças tão giras que queremos usar sempre/quase sempre e ao fim de uns tempos começam a dar de si. Ou estalam enquanto andamos com elas ou então vão-se desgastando até ficar só um fiozinho.

 

Usar vestidos ou saias no verão torna-se um pesadêlo. Mais uma vez, o atrito das pernas. Se não usarmos uma espécie de cinta ou calções por baixo, temos de dar uso ao pó de talco.

 

Quando procuramos um vestido, gostamos dele e no fim não nos fica nada bem. Ou não cabe no rabo ou cria barriga ou faz mais curvas do que devia.

 

E as amigas mais magrinhas que reclamam de ter pneu? Por favor... pneu? Onde?

 

Quando um decote praticamente não existe, mas fica super exagerado só porque temos mais peito ou porque somos mais largas na zona do peito. Torna-se um pouco chato tentar ocultar algo que supostamente não haveria se fossemos uma tábua.

 

E quando as pessoas esperam que estejamos mal com o nosso corpo, nós dizemos que o adoramos assim, que podemos corrigir algumas coisas, mas que não nos sentimos mal... elas ficam mais envergonhadas do que nós "deveriamos" estar.

 

» Créditos da imagem: Sabrina Arnault / Illustration | Pinterest

 

6 imagens // 30 dias: Março

Daqui a pouco estamos a meio de Abril e eu ainda nem tinha falado nisto. Pois bem, de hoje em diante - ou de Março - o InstaWeek muda de funções, deixando de ser um projecto semanal, para dar lugar a um mensal. Como é algo que dá imenso trabalho e se torna bastante repetitivo, apesar de eu falhar muitas vezes as semanas, decidi que o melhor era que ele se tornasse em algo mensal, assim teria mais tempo, mais conteúdo e tudo era feito com muito mais cuidado. Daí nascer este 6 imagens // 30 dias, onde escolho as melhores 6 imagens do mês. Para quem me quiser acompanhar através do instagram (@vanmmoreira).

 

___

 

1. Já tinha reparado nisto nos supermercados, mas pensei que não ia estar a gastar tanto em 6 garrafas para depois não gostar. A verdade é que gostei! Sabe assim a uma mistura de maçã com chá de frutos vermelhos. É bastante boa, embora chegue a um ponto que enjoa. Daí ter que se beber geladinha!

 

2. Numa tarde de passeio pela Barragem da Rocha, com um dia de calor agradável e um pôr-do-sol maravilhoso. Realmente observar algo assim, reflectido na água, é um máximo.

 

6-30-marco.jpg

 

3. No dia da mulher não haviam planos de jantares, nem nada disso. Numa ida ao café, acabei por ficar a petiscar pela noite fora. É sempre bom não combinar nada e sair assim tão bem!

 

4. Estas são as minhas duas meninas de estimação. Uma é a Dolly e a outra a Boneca (nomes escolhidos pelo pai). Criar duas borreguinhas a leite dá uma trabalheira que nem vos passa. Já compreendo o que é que os pastores sofrem!

 

6-30-marco2.jpg

 

5. O belo do eclipse. Foi tão bom de observar que até o telemóvel o conseguiu apanhar. Ver estes fenómenos é sempre um máximo.

 

6. Mais um desafio que comecei. Tenho cá para mim que vou gostar muito mais deste livro do que do outro.