Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

nuages dans mon café

Quotidiano, inspirações, fotografia, filmes e outras coisas.

nuages dans mon café

A Ministra das Finanças e os licenciados

Ministra das Finanças relativiza emigração jove

 Um jovem que acaba uma licenciatura tem um mundo à sua disposição.

(para visualizarem a notícia por inteiro, carreguem na imagem)

 

Não me parece a mim que esta senhora esteja a par do assunto, assim como todos aqueles senhores que se encontram bem vestidos e alimentados no governo.

É certo que um jovem ao acabar a licenciatura tem um mundo à sua disposição, isso ninguém desmente. Mas tem um mundo de quê? De funções na sua área que pode desempenhar? De outros empregos que pode dar uso? Ou esse mundo é aquele em que habitamos, naquele país enorme que tem tanto para dar e que não se quer dar ao trabalho de o fazer, porque é mais fácil queixarem-se de falta de enfermeiros, médicos, professores ou de tudo quanto é profissional qualificado do que oferecer-lhes emprego cá.

 

Realmente não consigo compreender, senhora Ministra, o que raio é que vocês fazem neste país. A Merkel diz que há excesso de licenciados e você dizem que eles podem ir embora porque aqui não fazem falta.

Quem sai do seu país, a não ser que seja muito aventureiro, não o faz por gosto. Faz por necessidade! Necessidade porque muitos são aqueles que não conseguem emprego na área e nem em porra nenhuma, que não têm como se sustentar, como formar família, como qualquer coisa que queiram da vida.

Tudo bem que ao promover a emigração, o governo diminui o desemprego, afinal os profissionais qualificados vão para fora ser bem reconhecidos, fazer o que gostam, longe de quem gostam e a dar ao governo aquilo que eles querem, baixar a dita taxa!

 

É muito triste ver que os meus pais e tantos da geração deles e mais velhos deram tudo e pagam tudo aquilo a que são obrigados. Como descontam para terem os privilégios que lhes eram devidos e só levam pancada. Como vêem os seus filhos, netos ou sobrinhos a se formarem orgulhosamente e no fim caiem os sonhos por terra. Isto não é de todo justo.

 

 

6 comentários

Comentar post