Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

nuages dans mon café

Quotidiano, inspirações, fotografia, filmes e outras coisas.

nuages dans mon café

MARIA CAPAZ, que não é capaz de pagar!

MARIA CAPAZ

 

Dizem por aí hoje que estas senhoras, que trabalham (se calhar de borla) nisto da #MARIACAPAZ (que eu até apreciava), não são capazes de pagar a um designer, ilustrador ou artista gráfico para lhes fazer um logotipo. Basicamente lançaram este desafio e só depois de serem criticadas e enxovalhadas no facebook e no próprio site é que colocaram que procuram uma empresa que as apoie e que pague o trabalho desse designer, ilustrador ou artista gráfico.

 

Até quando é que esta estupidez vai continuar? Não é a primeira vez que falo aqui deste assunto, mas é vergonhoso cada vez mais encontrar esta pouca vergonha por todo o lado. E estas senhoras, que se dizem tão capazes, tão cheias de direitos, tão coisas, agora vêm pedir que trabalhem de borla? A sério? Nós somos artistas, mas temos direitos também! Temos despesas, temos de comer, temos de fazer uma vida igualzinha à vossa, porque raio somos tratados de maneira diferente? É vergonhoso o que fazem! Quando é que nós designers, ilustradores e artistas gráficos vamos ganhar o devido respeito que merecemos? Explicam-me?!

 

As empresas falam cada vez mais em crescimento, mas sabem porquê? Grande parte delas são assim, amigas da mão-de-obra barata, do trabalho voluntário. Mas ninguém se tem de sujeitar a isto, a esta pouca vergonha, a esta falta de respeito. Só porque esta senhora, Rita Ferro Rodrigues, tem os bolsos cheios e decidiu criar um projecto - que até hoje tinha em muito boa conta - acha que os outros vão dar o corpo ao manifesto por ele? Lá porque a sua conta está cheia não quer dizer que a dos outros também esteja. Ganhem todos vergonha na cara!

 

" Declaração Universal dos Direitos do Homem das Nações Unidas
Artigo 23.º - 3. Quem trabalha tem direito a uma remuneração equitativa e satisfactória, que lhe permita e à sua família uma existência conforme com a dignidade humana, e completada, se possível, por todos os outros meios de proteção social. "

 

 

8 comentários

Comentar post