Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

nuages dans mon café

Quotidiano, inspirações, fotografia, filmes e outras coisas.

nuages dans mon café

Viagens: Regressar a Mértola

Este fim-de-semana foi de passeio e ainda bem! Deu para matar saudades do G, para descansar, para conhecer o tão badalado (pelo menos por esta zona) Festival Islâmico e para regressar a Mértola. Já tinha saudades desta terra, tão simples e tão linda!

 

1. Como podem ver, a paisagem é só por si um mimo. O rio Guadiana a escapar-se por ali e uma vista panorâmica magnífica sobre os montes e vales que este rio maroto cria.

 

2. A torre do relógio, junto ao rio, é o monumento mais antigo desta vila. Se algum dia puderem ver esta torre, vão perceber que é tão simples, mas ao mesmo tempo tão bela que a paisagem e qualquer coisa que queiram enquadrar com ela numa foto fica excelente. Ao seu lado têm as escadas que dão acesso ao cais e que datam de 1920.

 

viagensmertola.jpg

 

Enquadrado no Festival Islâmico haviam os passeios de barco no rio, durante 20 minutos cada viagem. Não sou muito fã disto, uma vez que sou uma péssima nadadora, mas não vou mentir, adorei! Foi tão bom que poderia fazê-lo mais vezes.

3. Pouco depois de sairmos do cais, era esta a vista serena e magnífica que tínhamos a partir do barco.

 

4. Como podem ver, Mértola é uma vila líndissima, situada num ponto mais alto na margem direita do rio, com as suas casinhas brancas, ruas estreitas de calçada e o seu castelo no cimo. Se observarem bem, do lado esquerdo, mais ou menos a meio da foto, conseguem ver a torre do relógio. É uma paisagem linda, não é?

 

5. Quase no final do passeio, fomos dar a volta junto a um rochedo que fica mais ou menos no meio do rio. Tinha um enfeite para condizer com o Festival. (E a vista por detrás de mim? Linda!)

 

Depois do passeio de barco ainda demos um saltinho à Mina de S. Domingos para conhecer a praia fluvial. Não há fotos, porque realmente fomos só conhecer e desfrutar da bela esplanada do café, eheh.

 

6. No final do dia, a caminho de casa, fizemos um pequeno desvio e fomos conhecer de perto o imponente Pulo do Lobo. Podem pensar que isto é um riacho ou uma ribeira e que a água corre devagar, mas enganam-se! O rio vem no seu curso, transparecendo uma calma imensa, mas quando entra nestes rochedos, faz um som tão rude e salta de dentro destas fissuras com um força bruta que nem sequer imaginava que fosse assim. Depois segue o seu curso, por entre mais uns rochedos destes, mas bem mais calmo. Se quiserem conhecer a bonita e romântica lenda deste lugar, podem ler aqui.

 

4 comentários

Comentar post