Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

nuages dans mon café

Quotidiano, inspirações, fotografia, filmes e outras coisas.

nuages dans mon café

What makes you who you are?

Quando nos perguntam Quem és tu?, quase nunca sabemos bem o que responder, além do nosso próprio nome. Mas é um nome que nos define? É ele que tem a capacidade de dizer como é que somos? Não, óbvio que não, as pessoas não adivinham a nossa maneira de ser através de um nome. Por isso imaginemos que essa questão nos leva para algo como O que faz tu, seres tu? ou então O que te leva a seres quem és?.

 

É sempre super complicado quando tentamos nos descrever, a não ser, claro, se já tivermos atingido esse momento em que sabemos quem somos, como somos e até onde queremos ir. Por isso dizer eu sou não é difícil, mas és o quê? Pois, aí já complica um pouco mais. Desde sempre que sabes que eu significa a minha pessoaeu próprioo meu ser, mas mais do que isso é difícil alcançar.

Ouço imensas vezes o meu patrão a dizer as pessoas não são números, mas também não acho que sejam nomes. Não é por aí que se define alguém, em origens, em vivências, em acontecimentos. Logo, quando nos perguntam Quem és?, não nos podemos ficar apenas pelo sou a Vanessa e tenho 22 anos, certo? Há algo mais além disto, há muito mais além disto.

 

A NOSSA PERSONALIDADE DEFINE-NOS?

Já todos ouvimos alguém nos dizer mas que feitiozinho que tu tens! ou tens uma personalidade forte. Em que é que isto nos define? Que tipo de personalidade temos que nos define de uma única forma? Não é algo moldável, algo que podemos alterar ou ajustar quando queremos? Então em que ponto é que nos define? As nossas mentes estão preparadas de certa forma para atribuir algum adjectivo à forma de pensar, de agir e de falar das pessoas, da sua maneira de ser e interagir com os outros. Daí a personalidade nos poder definir, mas ao mesmo tempo não é algo certo, algo em que se possa confiar a 100%, porque é moldável. Podemos basear a nossa personalidade no nosso passado, presente e futuro, pelo menos as ideias futuras. Mas até que ponto é que para muitas pessoas apenas a nossa personalidade é que conta para definir quem somos? É difícil de compreender.

 

O QUE É PRECISO PARA QUE UMA PESSOA NÃO SEJA ELA MESMA?

Alguém, alguma vez na nossa vida, já nos disse nem pareces tujá não és o(a) mesmo(a), estás estranho(a), mas como é que uma pessoa deixa de ser ela mesma? Como é que isso acontece? No nosso dia-a-dia, estamos constantemente a ser bombardeados com coisas, tanto que nem todos estão felizes, tristes ou zangados. Nem todos acordaram com os pés de fora ou com uma agradável surpresa para começar bem o dia. Estamos em constante mudança, durante todo o dia, todos os dias da nossa vida. Ninguém pode dizer que é sempre o mesmo, porque estará a mentir, não nos sentimos sempre igual todos os dias, ou porque estamos cansados ou porque qualquer coisa que às vezes nem sabemos. Há alguém que seja capaz de dizer eu era assim há 1 ano atrás? Duvido muito, nem há um ano, nem há 10, quando as ideias eram tolas, não eram calculadas, nem sequer se tinha a certeza do que se queria no futuro. Hoje és o(a) mesmo(a) que eras há uns anos atrás? A vida não te moldou de alguma forma até hoje?

 

SOU AS MINHAS EXPERIÊNCIAS

Todos sabemos que aquilo que somos é um resumo daquilo que já vivemos, que já experimentámos. Tenha sido bom ou mau, foi algo que nos enriqueceu, que nos tornou mais fortes, mais únicos, mais nós mesmos. Quantas vezes não ficámos já a pensar que aquilo nos aconteceu e que nos deu outra noção da vida, da realidade? Por exemplo, se formos a conduzir, acontece algo, sei lá, um condutor atirar-se para a nossa frente com o carro, nesse momento agimos, mas sabemos que nos momentos a seguir e daí para a frente na nossa vida, passamos a estar mais atentos a essas situações. Logo, este episódio marcou-nos, ensinou-nos algo importante para a nossa vida e mudou-nos ligeiramente.

 

Cada um tem uma forma diferente de ver o mundo, de pensar sobre ele e sobre as questões mais pertinentes. Todos temos uma espécie de filtro que nos mostra se algo é certo ou errado perante aquilo que já vivemos e que aprendemos. É aí que nos podemos definir como pessoas, vendo aquilo que vivemos, que sentimos, que aprendemos. Acho que cada vez mais as pessoas não se lembram que cada um tem/teve uma vida diferente e que pode ter muito para nos ensinar, como nós também teremos. Por vezes deveria-se respeitar a opinião dos outros, mesmo que estejamos a defender a nossa, porém o mais fácil é criticar e humilhar a dos outros.

 

E tu, o que achas deste assunto? Concordas comigo ou pensas de forma diferente?

 

 » Créditos da imagem: Pinterest

 

5 comentários

Comentar post